Curso Online Desoneração da Folha

14/08/2011

Oi, pai!

Pois é, pai, tantos anos que poderia ter lhe dado um presente e o que eu fiz? Não fiz.

Hoje sinto sua falta... até brinco que para quem não tem pai, é uma economia o dia de hoje, pois não precisa dar presente... seu lugar nunca foi tomado por ninguém, mas eu não via isso...

Queria gastar uma fortuna, aliás, uma grande energia para lhe encher de beijos no dia de hoje... como era quando eu, ainda criança, aos domingos você me levava no armazém do "Seu Eudes", me sentava no balcão e eu pedia "um guaraná de Grapette ou de Crush"... nem sabia que refrigerante não se chamava guaraná... e aí, vc ganhava um beijo meu...

Mas eu gastaria uma fortuna, se pudesse novamente poder lhe dar milhões de presentes, só para você estar no meu presente hoje... ter novamente um domingo igual àqueles em que você, todo orgulhoso, me levava para ir à feira, à praia...

Você já me perdeu na feira e na praia, lembra? rss... voltava pra casa e dizia pra mamãe (que deve estar aí, agora, ao seu lado, rindo dessas lembranças): - Vai lá tentar achar a menina, que eu perdi na feira... na praia... rss...

Lembra quando eu, pequenininha, roubei sua carteira? A família toda desesperada, era dia do seu pagamento e tinha que ir fazer compras... e eu debaixo da cama com a sua carteira... não, pai, não roubei mais nenhuma carteira depois, fique tranquilo...rss...

Por anos esqueci disso tudo, pelos problemas que vivemos em família... reneguei seu amor por mais de 15 anos (como o tempo passa!), mas você sabe que te redescobri há alguns anos... tá bom, vc não estava mais aqui conosco pra eu pedir perdão, desculpas, te apertar, te dizer o quanto eu o amo... mas sei que vc sabe lá de cima, né? Tá me lendo, né, pai? Tá achando chato não, né?

Por isso que digo às pessoas, para não cometerem esse erro imenso, deixar - mesmo que momentaneamente - de amar o pai (e a mãe também, claro). O tempo passa muito rápido, depois vocês se vão, e ficamos aqui, num domingo de dia dos pais, escrevendo no aeroporto, sem poder dar aquele abraço, comprar um par de meias ou um lenço (ainda se dá lenço no dia dos pais?) e comer aquele almoço em família...

Bem, vou terminando, pai... ah, não vou esquecer de aproveitar e dizer aos filhos que estão lendo isso, para repensarem suas posições, se não aproveitam a presença de seus pais... é um erro grande, uma bobeira... depois vai se arrepender! Praga de filha arrependida!..rss

Te amo! Feliz Dia dos Pais!

Da sua filha que te ama,

Zenaide.
Domingo de Dia dos Pais, 14 de agosto de 2011.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada pela visita! Entre no Novo Blog da Zê: www.zenaide.com.br